FipeZAP, SAC e Price: conheça as tabelas que podem te ajudar na compra de um imóvel

Imagem

Entenda as tabelas FipeZAP, Price e SAC e as formas de amortizar o financiamento para garantir uma melhor aquisição de um imóvel

O mercado imobiliário é composto por muitas variáveis que podem influenciar de forma considerável o valor do imóvel. Assim como a localização, a forma de pagamento escolhida e as taxas de juros, há fatores externos que podem modificar todo o cenário de compra. Quem se interessa por acompanhar o comportamento dessas variáveis tem como aliado três tabelas: FipeZAP, SAC (Sistema de Amortização Constante) e Price.

Dentre outras funções, elas podem servir como referência para garantir informações sobre as tendências do mercado e valores de imóveis de acordo com determinadas regiões. Conheça as tabelas, saiba como funcionam, para que servem, como auxiliam o mercado imobiliário e como podem ser úteis para quem deseja comprar um imóvel!

Tendências

O FipeZAP é um indicador com abrangência nacional que acompanha os preços de venda e locação de imóveis no Brasil. “Ele conta com tabelas informativas que trazem informações importantes sobre o que acontece no mercado imobiliário. Ele fornece informações sobre o comportamento de preço de vendas e aluguéis por região, o que pode ser uma ferramenta para o cliente ter noção do mercado que está inserido”, explica Ateniense Júnior, sócio-diretor da Direct Empreendimentos Imobiliários.

Para quem busca um imóvel, o FipeZAP pode ser um ponto de partida para as pesquisas, tanto para encontrar o imóvel ideal como também o que cabe no bolso. Com ele, é possível ter noção de quanto custa um imóvel nas características desejadas, como tamanho, localização e valor, por exemplo. “Além disso, com o FipeZAP, o cliente pode ter referências do que ocorre no mercado, as tendência de alta e baixa”, completa.

Amortização

Já as tabelas SAC e Price são sistemas usados para amortizar a dívida de um financiamento e dizem respeito à forma de cobrança de juros. É importante entender como funciona cada uma delas para que o cliente possa entrar na que seja melhor para o seu bolso. A SAC é um sistema de amortização constante.

“Ao pagar a parcela do financiamento todo mês, o cliente está amortizando o saldo devedor de forma constante e mais rapidamente”, afirma Ateniense Júnior. Nesta modalidade, as parcelas são decrescentes, ou seja, o cliente paga mais na primeira parcela e o valor vai sendo reduzido ao longo do financiamento. Já a principal diferença da Price é que ela conta com parcelas fixas. “Para iniciar, as parcelas nesta modalidade são menores do a SAC e elas são fixas, tem uma previsibilidade”, detalha.

Vantagens

Apesar de as parcelas iniciais serem maiores na SAC, Ateniense Júnior aconselha optar por esta tabela, caso o cliente tenha condições de desembolsar mais à princípio, começando pagando um valor mais alto.

“O saldo devedor vai ser reduzido mais rapidamente e vai pagar menos juros ao longo do contrato. Começa com uma parcela inicial maior para o mesmo valor e mesmo período, mas tem o benefício que a parcela é decrescente. No meio do contrato, o cliente alcança o valor médio da Price. O custo para financiar é menor e resulta em uma maior previsibilidade de capacidade para pagar porque se consegue pagar a primeira mais cara, provavelmente vai conseguir quitar as demais. Já na Price, as parcelas são fixas e a previsibilidade de pagamento não é tanta porque o valor não cai”, ressalta.

Inflação

Tanto na SAC como na Price, as parcelas sofrem influências dos índices de inflação. “Normalmente o índice que baseia isso é o IGP-M. Há uma variação mensal e a tabela Price tende a ter um aumento maior ao longo do financiamento por conta da influência da inflação na parcela. Já na SAC a influência é menor. Portanto, quem pode começar com uma parcela mais alta continua valendo a pena”, detalha o sócio-diretor da Direct Empreendimentos Imobiliários.

Aprovação

Porém, mesmo apresentando mais vantagens, nem todo cliente consegue aprovação do financiamento através da SAC. “Na hora de aprovar o crédito, geralmente se leva em consideração o comprometimento da renda mensal familiar, que normalmente é de 30%. Como na SAC as parcelas iniciais são maiores, o comprometimento da renda é maior, então às vezes aprova na tabela Price e não na SAC por conta disso porque o banco entende a capacidade do tomador”, conclui.

Fonte: Revista Zap Imóveis

Voltar