Confira 5 dicas para comprar imóveis retomados em leilões online

Imagem

Fique de olho no edital e observe os cuidados necessários para evitar fraudes no processo de aquisição

Os imóveis retomados, ou Bens Não De Uso (BNDU), são aqueles transferidos judicialmente de seu proprietário para o banco. Isso acontece quando uma pessoa financia uma casa, apartamento ou terreno com instituições financeiras e não consegue completar o pagamento das parcelas, sendo obrigada a entregar o imóvel ao banco financiador.

Segundo dados da Resale, outlet imobiliário que desenvolve soluções para gestão e venda de propriedades com esse perfil, o valor total dos imóveis retomados no País no primeiro trimestre de 2021 corresponde a R$7,8 bilhões. “No passado recente, a única maneira para a aquisição deles era via leilões presenciais. Agora, com as plataformas digitais, essas compras se tornaram mais democratizadas e sem limitações de espaço, além das possibilidades de venda direta”, contextualiza o CRO da Resale, Igor Freire.

Com mais agilidade para compra e bons preços, os imóveis retomados se tornam uma excelente opção para morar ou investir. “Por terem origem no mercado financeiro, eles geralmente sofrem um reflexo considerável em seu valor de venda, podendo chegar a até 70% menos do que o avaliado pelo mercado”, explica Freire.

Apesar de todas as facilidades que a tecnologia traz, o processo de compra para esta categoria impõe uma série de desafios. É preciso ter cuidado para fazer uma boa escolha e não cair em fraudes ou em extensos processos jurídicos, uma vez que nem todos os imóveis estão desocupados.

Para que cada vez menos compradores sejam vítimas de golpes, confira cinco pontos de atenção para comprar com segurança:

1. Prefira canais confiáveis
Mesmo com as facilidades dos aplicativos de mensagem instantânea, sempre tenha o primeiro contato com a empresa vendedora em seus canais oficiais, como site próprio. Busque também canais de comunicação como e-mail, central de atendimento ou redes sociais. Pesquise sobre a empresa no mercado e prefira instituições que possuem bom histórico com os clientes. Procure referências entre profissionais, na imprensa e com parceiros.

2. Saiba tudo antes da compra
Um imóvel retomado indica que alguém já o utilizou anteriormente. Por isso, estude o edital e colha todas as informações a respeito do estado de conservação, impostos e taxas de cartório. Se o imóvel estiver desocupado, é possível fazer uma visita presencial para verificar as condições.

3. Planeje-se
Comprar um imóvel sempre requer planejamento de tempo, pesquisa e, principalmente, planejamento financeiro. É importante conferir se o imóvel está ocupado ou desocupado e saber as taxas envolvidas no processo, como o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o registro.

4. Entenda o processo
É importante contar com uma assessoria jurídica no caso de imóveis ocupados, pois a desocupação é de responsabilidade do comprador. O auxílio de um profissional pode ajudar a entender, de antemão, se haverá gastos com eventuais representações jurídicas. Já para imóveis desocupados, é importante conhecer pessoalmente a estrutura, vizinhança e região antes de tomar a decisão. Em ambos os casos, após o pagamento total, devem seguir obrigatoriamente o processo normal de escritura e registro no cartório de imóveis para colocar no seu nome e ter o bem regularizado.

5. Confira se a transação foi formalizada
Ao final do processo de compra, é importante verificar a emissão da matrícula atualizada em nome do comprador. Com isso, o imóvel sai da propriedade do banco e passa oficialmente para o novo dono.

Fonte: Estadão

Voltar