Quais cores escolher para sua casa em 2022

Imagem

Cores podem influenciar diretamente em nosso humor e a escolha correta dos tons de cada ambiente pode trazer bem-estar e estilo para o lar; saiba como deixar os ambientes mais felizes

Saber quais cores escolher para sua casa parece simples, mas pode gerar muitas dúvidas. Se a coloração representa algo, se é a mais adequada para o ambiente, se pode deixar o cômodo escuro ou menor, se ficar sem graça ou mesmo não contrastar com absolutamente nada. E não quer dizer que isso está ligado apenas a escolha da pintura, mas de um revestimento e harmonização com os móveis do ambiente.

Segundo explica a arquiteta Marina Carvalho, não existe uma regra como uma receita de bolo, mas o proprietário precisa pensar de forma coerente. A intensidade de cada cor, quente ou fria, intensa ou sutil podem influenciar de várias maneiras nosso comportamento e humor. “É só caminhar pela cidade e, ao ver uma árvore florida, a gente acaba mudando de humor, sorrindo.

E já que as cores exercem esse poder de transformar os ambientes, é preciso cuidado ao escolher cada uma, não só pensando no intuito de decorar, mas também de provocar as sensações desejadas”, afirma.

Azul é uma das melhores opções para quartos, pois remete ao céu e, assim, cria um cômodo propício ao relaxamento. 

Amarelo, por sua vez, estimula a concentração e a alegria, muito bem-vinda em quartos que também funcionam como área de trabalho.

Verde lembra a natureza e nos traz calma. É ideal para dormitórios de casal, criando um mood natural e aconchegante. A sensação de frescor do verde também pode ser aplicada em detalhes do banheiro e da cozinha.

Cinza proporciona equilíbrio e neutralidade. Vai muito bem em quartos menores, salas ou mesmo fachadas, janelas e portas.

Branco pode ser uma boa escolha para pessoas ativas e inquietas. Oferece a sensação de paz e limpeza, porém não é recomendado ser usado em excesso, pois pode gerar ansiedade e sensação de solidão.

“Em geral, evitamos nuances esfuziantes (laranja, vermelho, amarelo) em lugares que pedem descanso, como o quarto, e recorremos aos vermelhos e laranjas onde lidamos com alimentos, estimulando a fome, o apetite”, explica Marina. “Se a dica é para não errar na combinação, podemos pensar nos tons complementares, que ocupam os lados opostos no círculo cromático, como vermelho e verde, laranja e azul, amarelo e roxo” afirma.

Muitas pessoas pensam quais cores escolher, mas geralmente evitam as mais escuras, porém usar móveis e objetos decorativos claros já impacta diretamente no ambiente, isso faz cores escuras serem mais usadas. Além disso, uma cor clara pode dar uma quebra, seja no teto ou no piso. A iluminação bem direcionada pode ser uma estratégia de combinação.

“Recorra ao uso de pendentes, arandelas e luminárias, que ajudam a criar cenários aconchegantes dentro de casa por meio da luz indireta”, diz.

A profissional reforça que num primeiro momento, eles parecem incomuns, mas na vida real combinam bem ao equilibrar nuances quentes e frias para definir a paleta de quais cores escolher para sua casa. Já as tons correspondentes se referem aquelas que estão lado a lado no círculo cromático, o que conhecemos como “tom sobre tom”.

“Fica lindo, por exemplo, jogar com diferentes contrastantes, como verdes claros e escuros.” É possível combinar cores dos móveis com parte da paleta de cores do ambiente.

Cores neutras combinam com os tons mais fortes da mobília e objetos, por exemplo, algo moderno, um sofá ou mesa azul em uma sala branca ou mais clássico, preto e branco. 

Fotografias e quadros funcionam como elementos decorativos que evidenciam a personalidade dos moradores, podendo contrastar com a cor da parede. Porém, para harmonizar bem com o ambiente, as cores escolhidas do quadro ou fotografia devem estar presentes em algum móvel ou objeto de decoração. Pode ser uma cortina, uma almofada, um tapete. O tom da moldura deve acompanhar alguma das cores que estejam presentes no local.

Formas geométricas - quais cores escolher

Nos últimos tempos, surgiu uma nova forma de decorar a casa, usando formas e desenhos coloridos nas paredes. Segundo explica Marina, a tendência tem forte ligação com a cultura do “Do it Yourself” ou “Faça você mesmo” que cresceu na pandemia, quando as pessoas passavam muito mais tempo em casa e queriam dar um ar diferente ao espaço.

Mas a prática exige cuidado para não carregar a parede com cores fortes. “São uma forma diferente e criativa de destacar uma parede da residência, podendo ser aplicadas em salas, quartos e cozinhas. As cores escolhidas devem combinar entre si e também com o espaço.

Funciona bem tanto em lugares grandes quanto pequenos”, conta a profissional. Lembrando que uma fita crepe pode ser de suma importância para delimitar o limite da pintura, para que as formas tenham perfeição e diminuam os erros no acabamento.

Papel de parede

Desenhos podem ser ótimas opções de colorir o ambiente e podem assumir uma função decorativa no lar. São recursos mais rápidos e práticos para renovar um ambiente: podem ser aplicados na parede, painéis ou marcenaria, para criar uma cabeceira da cama, rodapé, roda teto e lambri, por exemplo.

Porém, é uma opção restrita a ambientes internos sem exposição à água, umidade ou vapor. Por outro lado, os papéis de parede de vinílicos ou TNTs possuem uma gama maior de ambientes que podem recebê-los, inclusive cozinhas e banheiros.

Tendências

A arquiteta destaca algumas cores que são tendências e podem inspirar o upgrade no seu lar.

Pantone, Very Peri: O tom foi definido como uma combinação de um violeta avermelhado e um azul dinâmico, resultando em uma tonalidade vibrante e que flerta com o futurismo. A cor é a mais feliz e o mais quente de todos os tons de azul, com uma presença alegre e dinâmica.

Coral, Melodia Suave: Fresca e leve, essa tonalidade reflete a imensidão do céu, oferece um toque de natureza para o espaço interior e ilumina os ambientes da casa. Versátil, Melodia Suave é também uma cor que combina com outros tons, desde neutros suaves aos claros e alegres.

Suvinil, Eclipse: Ela representa esse recomeço, segundo a marca. Trata-se de um tom de verde fresco, que traz a energia e a saturação que precisamos ao entrar em uma nova aventura. Tem o tom das primeiras plantas que habitaram a Terra e a vibração inovadora das novas gerações. É vivo, mas também aconchegante.

Sherwin Williams, Neblina Perene: Estamos falando de uma opção suave e sutil, fácil de usar em qualquer parte da casa. Segundo o fabricante, a natureza familiar e confortável da Neblina Perene brilha como um pano de fundo reconfortante e refresca qualquer espaço.

Para acertar nas escolhas

“Um dos principais erros é não pensar nos tons que serão utilizados assim que iniciar o projeto. É importante saber exatamente o que você vai usar como base ou como elemento coadjuvante”, afirma.

Uma escolha errada pode deixar o ambiente mais calmo, agitado ou vibrante em proporções negativas, já que cada cor possui um efeito. As cores do piso, dos móveis e dos objetos precisam estar integradas.

Por fim, para não errar, antes de sair pintando uma parede, o ideal é recorrer aos testes vendidos pelas marcas. “Teste mais de um tom, que se comporta de forma diferente na parede, conforme a luz que incide ali”, finaliza Marina.

Fonte: Estadão

Voltar