Entenda como funcionam os investimentos de curto, médio e longo prazo

Imagem

Investir dinheiro com segurança e com um bom retorno é o objetivo de todas as pessoas que buscam formas de valorizar seus patrimônios. No entanto, é preciso considerar detalhadamente todos os fatores envolvidos em cada tipo de aplicação para saber qual modalidade realmente é a que mais se encaixa em seus objetivos e atende bem ao orçamento disponível.

Como o tempo de investimento é uma das principais variáveis que precisam ser consideradas, saiba quais são as opções mais indicadas para quem quer aplicações de curto, médio e longo prazos.

Curto prazo

O curto prazo pode ser considerado um período de até dois anos. Se você quer investir seu dinheiro e receber os retornos em pouco tempo, existem dois aspectos que precisam ser considerados: liquidez e rentabilidade.

Quanto maior sua liquidez menor são seus rendimentos. Isso porque investimentos com grande liquidez frequentemente resultam em baixos retornos. Os bancos ou casas de investimentos, por exemplo, buscam manter seu capital por mais tempo possível no intuito de compartilhar uma maior fatia de seus ganhos com seus clientes. Já o inverso é verdadeiro.

Se a busca é por maior estabilidade, os investimentos seguros – como a caderneta de poupança – geram lucros mais baixos, mas são mais estáveis. Isso significa que há como não ter o retorno imediato que precisaria, mas também não se corre riscos com o montante inicial.

A máxima de mercado é a de que quanto maior for o risco, maior será o retorno. Existem investimentos com maior retorno, mas, via de regra, não oferecem grande liquidez – a não ser que se esteja olhando o mercado de capitais para especulação. Nisso sim, há como encontrar liquidez e altos retornos. Entretanto, é importante ressaltar que que está se falando em especulação, ou seja, nesse cenário nada é certo e o risco de perder tudo é muito grande.

Médio prazo

Para investir o seu dinheiro em um período de dois a cinco anos, você precisa considerar com ainda mais cautela a taxa de rendimento que irá receber. Isso porque muito da situação econômica nacional e pessoal pode mudar nesse período e você precisa considerar que duas necessidades podem mudar ao longo desse prazo. Ou seja, aquilo que é satisfatório como rendimento hoje pode se tornar aquém de suas necessidades daqui a cinco anos.

Nesse caso, já é possível ser um pouco mais ‘criativo’, por assim dizer, nos investimentos, já que o tempo de aplicação é uma variável favorável. Ou seja, aplicações menos conhecidas e com baixos riscos podem ser opções mais vantajosas do que a tradicional poupança. Os fundos de renda fixa moderados, por exemplo, são boas opções.

Longo prazo

A ideia principal de uma aplicação a longo prazo é garantir a segurança do montante de investimento e usar o maior tempo a seu favor. Isso significa que você precisa ter o capital inicial garantido já na aplicação e correr os riscos somente com as taxas.

O investimento imobiliário é uma boa forma de trabalhar no longo prazo, já que permite que se tenha sempre um rendimento líquido, como um aluguel, e acreditar que o capital total referente ao valor do imóvel sempre será valorizado.

Engana-se quem pensa que a locação é única forma de ganhar dinheiro com aplicações imobiliárias. A especulação é uma estratégia e consiste basicamente em aproveitar as condições de mercado a seu favor – comprar quando os preços estão baixos e vender quando estão altos.

A aceleração da valorização do imóvel é grande sacada para garantir os lucros é uma excelente pedida. “Hoje desempenhamos um trabalho voltado às oportunidades imobiliárias nos Estados Unidos. Estados como o Tennessee, por exemplo, oferecem grande oportunidade tanto no aluguel, quanto na compra e valorização dos imóveis.

Estamos focados no trabalho com a comunidade local de baixa renda, por meio de um programa eficaz que permita que essas pessoas comprem suas próprias casas, geramos valor nos imóveis por meio de reforma e depois vendemos esses mesmos imóveis para a comunidade local de baixa renda, empoderando essas pessoas por meio do planejamento financeiro a comprar a sua casa própria”, explica Aigo Pyles, fundador da Genesis Associados , empresa de assessoria personalizada em planejamento financeiro e patrimonial em finanças pessoais ou corporativas.

“Primeiramente, compramos os imóveis usados que estavam abandonados, reformamos e criamos valor no bem por meio de investimento na revitalização, depois colocamos esses imóveis à venda para investidores. Nesse ínterim, alugamos os imóveis para potenciais compradores locais, mesmo que não tenham crédito, e trabalhamos esse potencial comprador por meio de cursos e assessoria para que ele melhore seu crédito e use os benefícios oferecidos pelo governo para que se tornem futuros proprietários dos imóveis”, finaliza o empresário.

Fonte: Portal VGV

Voltar